Arquitetura e decoração aliados à iluminação natural

maio 20, 2014 em Linha de Produtos, Projetos Corporativos

Mesa de Reunião

Já abordamos, aqui, a importância de garantir uma boa iluminação natural em escritórios a fim de aumentar a motivação e a produtividade das equipes. Porém, o trabalho de arquitetura e decoração além do projeto luminotécnico também agrega muito valor trazendo ainda mais conforto aos profissionais que ali trabalharão diariamente.

Para a arquiteta Letícia Ximenes, é muito importante saber trabalhar os revestimentos nas áreas que recebem a iluminação natural. “O projeto de iluminação deve ser feito junto com o layout do espaço. Os revestimentos próximos às janelas, por exemplo, precisam ser muito bem planejados. Pisos escuros e com brilho refletem demais a luz e atrapalham quem está ali trabalhando”, relata.

O mobiliário também deve ser observado quanto aos seus níveis de reflexo, afinal toda superfície reage ao receber iluminação direta. Alguns materiais refletem, enquanto outros transmitem e outros absorvem a luz. Importantíssima, essa análise garante que o mobiliário escolhido transmita exatamente as sensações esperadas no projeto.

A relação da superfície e sua refletância nos ambientes

A preocupação de Letícia com a refletância das superfícies também pode ser identificada nesta tabela de recomendações para escritórios adaptada pelo IESNA (Illuminating Engineering Society of North America). Para o cálculo, deve ser considerada a fórmula: luz incidente = transmitância + absorbância + refletância. (Dados obtidos no estudo de Patrícia Winter Chaves elaborado para o mestrado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília).

Além da questão da refletância, as cores e texturas trabalhadas também contribuem para a sensação de bem-estar. “São elas que deixam o espaço mais iluminado ou mais escuro, dependendo da necessidade do cliente. Porém, não é por que há pouca iluminação natural que somos obrigados a pintar tudo de branco. Precisamos deixar o ambiente mais claro ao mesmo tempo em que suprimos a falta de aconchego causada pela ausência de luz natural”, diz a arquiteta.

A mescla de iluminação natural com artificial também é comum e necessária na grande maioria dos espaços. “Podemos trabalhar a iluminação indireta, que evita sombras, com a direta que ilumina bastante. Além disso, luzes periféricas e decorativas fazem o ambiente mais agradável”, relata Letícia. Espaços que precisam de iluminação artificial para serem funcionais podem ter os problemas minimizados pela inserção de um forro de gesso, no qual é possível distribuir melhor as luminárias.

Posts Relacionados: